Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva
Rev Bras Cardiol Invasiva 2015;23:271-5 - Vol. 23 Núm.4 DOI: 10.1016/j.rbci.2017.01.001
Artigo Original
Comparação do curativo compressivo vs. pulseira hemostática após cateterização por via radial
Comparison of conventional compressive dressings vs. wristband devices after catheterization by radial approach
Said Assaf Netoa,, , João Orávio de Freitasa, Sérgio Luis Bertib, J. Ribamar Costac, Jorge Augusto L. Zbeidd
a Hospital Carlos Fernando Malzoni, Matão, SP, Brasil
b Santa Casa de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil
c Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, SP, Brasil
d Hospital São Paulo, Araraquara, SP, Brasil
Recebido 07 Julho 2015, Aceitaram 10 Outubro 2015
RESUMO
Introdução

Dispositivos dedicados à compressão do sítio de punção radial adicionam custo ao procedimento e não foram adequadamente comparados aos curativos compressivos. Avaliamos a efetividade e a segurança de ambas as formas de hemostasia em pacientes submetidos à cinecoronariografia e/ou intervenção coronária percutânea na prática diária.

Métodos

Estudo prospectivo, multicêntrico e não randomizado, que incluiu pacientes consecutivamente submetidos a procedimentos por via radial. A modalidade de compressão ficou a critério do operador e da disponibilidade das pulseiras hemostáticas. O objetivo primário foi a comparação da patência da artéria radial no sétimo dia pós‐procedimento, aferida por meio do Doppler. Secundariamente, avaliamos a ocorrência de hemorragia/hematoma no sítio de punção durante a compressão, após a retirada do dispositivo e no sétimo dia pós‐procedimento.

Resultados

Foram avaliados 528 pacientes, 416 que usaram o curativo compressivo e 112 que usaram a pulseira hemostática. Na fase da retirada do introdutor e logo após sua remoção, notou‐se uma incidência maior de sangramento no grupo curativo compressivo (13,4% vs. 0%; p < 0,001). Todos os sangramentos foram pequenos (tipo I ou II) e não necessitaram medidas adicionais. Aos 7 dias, observou‐se apenas formação de pequenos hematomas no sítio da punção em 7,1% dos casos que utilizaram a pulseira de compressão. Não houve diferença nas taxas de patência da artéria radial (3,8% vs. 7,1%; p = 0,20).

Conclusões

O uso de pulseira dedicada à hemostasia da artéria radial não resultou em maiores taxas de patência arterial tardia quando comparada ao curativo compressivo simples.

ABSTRACT
Background

Wristband devices used in the compression of the radial puncture site add cost to the procedure and have not been adequately compared with conventional compressive dressings. This study evaluated the effectiveness and safety of both forms of hemostasis in patients undergoing coronary angiography and/or percutaneous coronary intervention in daily practice.

Methods

A prospective, multicenter, nonrandomized study, which included consecutive patients who underwent procedures through radial access. The type of compression was at the interventionist's discretion and the availability of wristband devices. The main objective was to compare the patency of the radial artery on the 7th day after the procedure, measured by Doppler. Secondarily, the authors evaluated the occurrence of bleeding/hematoma at the puncture site during compression, after removal of the device and on the 7th day after the procedure.

Results

This study evaluated 528 patients, 416 using conventional compressive dressings and 112 using wristband devices. When the sheath was removed and soon after its removal, a higher incidence of bleeding in the conventional compressive dressings group was observed (13.4% vs. 0%; p < 0.001). All bleeding events were small (type I or type II) and did not require further actions. At 7 days, there were only small hematomas at the puncture site in 7.1% of cases that used the wristband device. There was no difference in the patency rates of the radial artery (3.8% vs. 7.1%; p = 0.20).

Conclusions

The use of wristband devices for radial artery hemostasis did not result in higher rates of late arterial patency when compared to conventional compressive dressings.

Palavras‐chave
Artéria radial, Cateterismo cardíaco, Angioplastia, Ultrassonografia Doppler
Keywords
Radial artery, Cardiac catheterization, Angioplasty, Doppler ultrasound
Rev Bras Cardiol Invasiva 2015;23:271-5 - Vol. 23 Núm.4 DOI: 10.1016/j.rbci.2017.01.001